De volta a casa

De volta a casa

A 18 de junho de 2017 ocorreu uma tragédia que viria a apelidar a EN236-1 como “Estrada da Morte”, não deixando ninguém indiferente. O incêndio deflagrou ceifando vidas – humanas e animais, da maneira mais cruel possível, dizimando anos de trabalho na forma de casas, armazéns, empresas, causando prejuízos irrecuperáveis à floresta e ao mesmo tempo devastando automóveis, máquinas e campos agrícolas.

Prontamente, o Dr. Sérgio Chéu – Diretor-Geral da SMART VISION, determinou no momento de dificuldade que a responsabilidade de apoiar estas pessoas, passava não só pelos organismos públicos, mas também pela sociedade civil. O exemplo partiu através do avanço para a linha da frente, unindo-se a um conjunto de empresas e pessoas e à Câmara Municipal de Castanheira de Pera para se levar este grande empreendimento em diante.

Nasceu assim, por razões de humanismo e solidariedade, no sentido de estar ao lado daqueles que mais precisavam, o projeto Castanheira Renasce.

Os 3 anos subsequentes trouxeram inúmeras adversidades, impasses, frustrações e privações, mas proporcionaram – em medida superior, sensações de dedicação, êxtase e orgulho.  “Foram-nos colocadas algumas pedras no caminho” admitiu o Dr. Sérgio Chéu, em entrevista à TVI. No entanto, essas “pedras” foram ultrapassadas com o auxílio, devoção e o companheirismo dos parceiros que facilitaram o foco no objetivo final, nunca o perdendo de vista e nunca aceitando a desistência como hipótese.

“As dificuldades que se foram colocando no caminho não são nada quando comparadas com o resultado que aqui hoje temos e com a alegria que a família tem em receber a sua casa de volta”

-Dr. Sérgio Chéu

Esta iniciativa de solidariedade culmina com um sentimento de dever cumprido, pelo que não podemos deixar de agradecer a quem tornou este sonho uma realidade.

O nosso mais sincero reconhecimento para o Eng. Aniceto do Carmo e para os colaboradores da CIMAVE, um dos pilares incontornáveis do projeto, o Dr. José Vale – pela sua presença assídua e apoio incondicional, o Dr. Nicolas Wallaert em representação da Cofidis pelo seu entusiasmo para com a iniciativa, a Câmara Municipal de Castanheira de Pera na pessoa da Excelentíssima Sra. Presidente Alda Carvalho, do Eng. Rui Silva e do José Chamorra, o Eng. Vasco Moreira (VOSSA) – pela criação e manutenção do site Castanheira Renasce, o Dr. Andrea Zanni e o Dr. Marco Mussini – Grés Panaria e o Dr. João Madaíl – Extrusal.

Não obstante, não podemos descurar os demais parceiros que com as suas solidárias contribuições, se assumiram como absolutamente fulcrais para o sucesso deste empreendimento:

– AMCO – Intermediários de Crédito, Lda;
– APM – Intermediação de Créditos Unipessoal Lda;
– Bosch;
– Caldas Rent-a-Car;
– Cale do Oiro, Lda;
– CIMAVE;
– Cin;
– Cofidis;
– Cruz Vermelha;
– Diamantino Jorge & Filho, Lda;
– Diário de Aveiro;
– Expoeuropa;
– Extrusal;
– Fertecnal;
– Ferrum Serv;
– Go Fit;
– Go Welcome;
– Grés Panaria;
– Grupo Tavares;
– Heliflex;
– IDTOUR;
– Instituto de Medicina Ocular;
– Invescorte;
– Irbal;
– Leonardo Vieira;
– LISLIF;
– Mário Eurico de Almeida Matos Unipessoal, Lda;
– Mercentro;
– Pedro França;
– PJN;
– Primagera S.A.;
– SECIL;
– Smart team;
– The Navigator Company;
– Universidade Sénior do Marco de Canaveses;
– Vidreira Algarvia;
– VOSSA;
– Wiseware.

Desta arte e como resultado final, o passado dia 9 de dezembro de 2020 ficará marcado como o dia em que a família Fernandes poderá iniciar uma vida nova e vivenciar um Natal em paz, no conforto do seu novo lar.

Esse momento de grande regozijo foi capturado pela TVI e nas fotografias disponíveis abaixo:

 

 

A Família Fernandes já vai passar o Natal em casa!

A Família Fernandes já vai passar o Natal em casa!

O 17 de Junho de 2017 foi um dia de pesadelo para muitas famílias – à conta de um incêndio devastador que assolou a região Centro do país perderam-se muitas vidas e bens. “Foi o pior dia da minha vida”, assumiu Nuno Fernandes.

A habitação da família Fernandes, na povoação de Valinha Fontinha, na tristemente célebre Estrada Nacional 236 – que ficou conhecida como a estrada da morte após os fogos de 2017 –, foi parcialmente destruída pelas chamas. “Tentámos socorrer a nossa casa, mas só tivemos tempo de fugir”, contou.

Esta casa no concelho de Castanheira de Pera tem estado a ser recuperada pela mão do projecto Castanheira Renasce, que um grupo de empresários, com Sérgio Chéu, director-geral da empresa aveirense Smart Vision, à cabeça, pôs de pé para ajudar as vítimas da tragédia de há três anos. O objectivo é recuperar a casa que Nuno Fernandes e a família, num total de sete pessoas, habitavam naquela pequena povoação de Castanheira de Pera.

O empreendimento foi posto em marcha pouco depois da tragédia de 2017 e foi agora dado por concluído – a entrega da habitação à família vai acontecer no próximo dia 7 de Dezembro. “Há mais de três anos todos nós que nos juntámos para dar vida à iniciativa de solidariedade Castanheira Renasce sonhámos tornar possível o hercúleo empreendimento de dar uma nova vida à família Fernandes. Pois bem, esse sonho está muito perto de se tornar realidade, uma vez que nos encontramos na fase final de reconstrução e apetrechamento da casa”, assinala.

O Castanheira Renasce vive da generosidade de empresas e particulares. “O projecto depende da boa-vontade e da disponibilidade de quem se quis associar”, explica Sérgio Chéu. Várias empresas e pessoas chegaram-se à frente e têm dado contributos sem os quais o projecto não teria saído da gaveta.

Após a tragédia, a família mudou-se provisoriamente para um prédio de habitação social em Castanheira de Pera, que ocupa sem custos – a Câmara local é um dos parceiros do projecto. “Estão com muita vontade de regressar à sua casa”, diz o responsável da empresa aveirense.

Ainda se pensou que o último Natal já seria passado em Valinha Fontinha, mas uma empreitada à base do voluntariado corre sempre o risco de sofrer alguns atrasos, lembra o empresário.

O projecto, admite, “está a dar muito trabalho e dores de cabeça”, mas não há lugar ao “arrependimento”. “Sentimos um orgulho enorme por estarmos a ajudar alguém que precisa. Não podemos mudar o mundo, mas podemos sempre fazer alguma coisa pelos outros”, diz o homem de quem partiu a ideia.

A casa da família Fernandes localiza-se em plena Estrada Nacional 236, entre Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, onde 47 pessoas morreram quando procuravam uma saída segura das chamas, nos fogos de 2017. O agregado familiar, que não sofreu perdas humanas, não dispunha de capacidade financeira para suportar as despesas da reconstrução. A casa não satisfazia as reais necessidades dos moradores – um deles, por exemplo, movimenta-se numa cadeira de rodas e a casa não estava adaptada a essa circunstância. Nesse sentido, uma simples reconstrução converteu-se numa ampliação, agora finalizada graças ao Castanheira Renasce. No próximo dia 7, a habitação será entregue à família. “Não será feita nenhuma sessão solene, apenas o simbolismo da entrega da casa à família”, diz Sérgio Chéu.

Versão em PDF: Consulte aqui

in Diário de Leiria: https://www.diarioleiria.pt/noticia/63753

A Família Fernandes já vai passar o Natal em casa!

Já falta pouco!

No âmbito da iniciativa de solidariedade Castanheira Renasce da qual nos orgulhamos, e com o intuito de vos manter informados sobre o estado e andamento da reconstrução da casa da família Fernandes, anexamos alguma fotografias que atestam a evolução da reconstrução. As obras estão muito perto de terminar, pelo que neste momento estamos a aguardar pela indicação do IKEA para a montagem de mobiliário e equipamentos, que prevemos que decorra no mês de novembro, para que a família possa passar o Natal na casa.

Agradecemos novamente a todos o apoio e dedicação a esta iniciativa.

A casa da família Fernandes está quase pronta graças à ajuda de muitos

A casa da família Fernandes está quase pronta graças à ajuda de muitos

Nos incêndios de 2017 perderam- se vidas e bens e o concelho de Castanheira de Pera, em Leiria, foi um dos mais afectados. “Foi o pior dia da minha vida”, disse Nuno Fernandes ao Diário de Aveiro sobre o 17 de Junho desse ano. “Tentámos socorrer a nossa casa, mas só tivemos tempo de fugir”, contou. A habitação da família Fernandes, na povoação de Valinha Fontinha, na tristemente célebre Estrada Nacional 236 – que ficou conhecida como a “estrada da morte” após os fogos de 2017 -, foi parcialmente destruída pelas chamas. E é aí que entra o projecto Castanheira Renasce, que um grupo de empresários, com Sérgio Chéu à cabeça, pôs de pé para ajudar as vítimas da tragédia de há três anos. O objectivo é recuperar a casa que Nuno Fernandes e a família, num total de sete pessoas, habitavam naquela pequena povoação de Castanheira de Pera.

O empreendimento foi posto em marcha pouco depois da tragédia de 2017 e, passo a passo, está agora na sua recta final. Sérgio Chéu, director-geral da empresa aveirense Smart Vision, acredita que a reconstrução, salvo contratempos, ficará concluída ainda no primeiro deste ano.

“Não podemos mudar o mundo”
Segundo o empresário, a maior parte da empreitada está executada, mas há ainda arranjos a fazer no interior e no exterior do edifício. Os recursos necessários, quer financeiros quer materiais, já estão assegurados e agora é “meter mãos à obra” para o que resta dos trabalhos, disse ontem ao Diário de Aveiro. O Castanheira Renasce vive da generosidade de empresas e particulares. “O projecto depende da boa vontade e da disponibilidade de quem se quis associar”, explica.

“O projecto depende da boa vontade e da disponibilidade de quem se quis associar”

Várias empresas e pessoas chegaram-se à frente e têm dado contributos sem os quais o projecto não teria saído da gaveta. O mobiliário em falta será fornecido pelo Ikea e as pinturas ainda em falta serão asseguradas pela Cin, deu como exemplo. Após a tragédia, a família mudou-se provisoriamente para um prédio de habitação social em Castanheira de Pera, que ocupa sem custos – a Câmara local é um dos parceiros do projecto. “Estão com muita vontade de regressar à sua casa”, diz Sérgio Chéu.

Ainda se pensou que o último Natal já seria passado em Valinha Fontinha, mas uma empreitada à base do voluntariado corre sempre o risco de sofrer alguns atrasos, lembra o empresário. O projecto Castanheira Renasce, admite, “está a dar muito trabalho e dores de cabeça”, mas não há lugar ao “arrependimento”. “Sentimos um orgulho enorme por estarmos a ajudar alguém que precisa. Não podemos mudar o mundo, mas podemos sempre fazer alguma coisa pelos outros”, diz o homem de quem partiu a ideia.

Versão em PDF: Consulte aqui

in Diário de Aveiro: https://www.diarioaveiro.pt/noticia/52435

Ainda faltam materiais para dar (nova) casa a família necessitada

Ainda faltam materiais para dar (nova) casa a família necessitada

Solidariedade Obras entram, agora, numa nova fase e os promotores apelam (novamente) à solidariedade para que seja possível concretizar a construção desta nova casa

Do campo dos sonhos para a esfera da realidade. É este o objectivo do Castanheira Renasce.
Um projecto que nasceu no “rescaldo” dos incêndios do Verão de 2017 – que vitimaram 64 pessoas e que teve um maior impacto em Castanheira de Pera, Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos – e que deixaram várias pessoas desalojadas.
Quem se esquece daquela (negra) imagem de carros carbonizados no meio de uma estrada, numa tentativa infrutífera e fatal de escapar às chamas? É nessa mesma estrada, a poucos metros de onde dezenas de pessoas perderam a vida que a família Fernandes quase perdeu a casa. O tecto desapareceu e com ele a esperança. Mas todos estavam bem e de saúde. É nessa altura que, de Aveiro, a algumas quilómetros de distância, surge um projecto que tem um único propósito: ajudar esta família a ter um novo tecto e a ver renovada a sua esperança.
Já “muita água” passou por baixo desta ponte e, de uma ideia e vontade de ajudar, passou-se à prática. Estabeleceram-se parcerias, deu-se início ao projecto de arquitectura, caderno de encargos e pôs-se a “mão na massa”. Literalmente. Parece muita burocracia, mas era necessária, porque pese embora se pudesse apenas restituir o espaço existente à família e reconstruir a casa, os mentores deste projecto – com a empresa aveirense Smart Vision à cabeça – foram mais longe e decidiram aumentar o espaço habitável da casa e esta ampliação do edifício, para além de conferir mais espaço e dignidade à família, implicou uma arquitectura e esforço financeiro diferentes. O investimento em causa ronda os 126 mil euros.
Actualmente – e depois de uma visita ao local na passada segunda-feira – toda a estrutura da habitação está feita. Tijolo a tijolo, viga a viga, as paredes e tecto da habitação estão concluídos. Mas não está terminada a obra. Falta a parte das especialidades, como tudo o que envolve água, electricidade e esgotos, segundo relatou Sérgio Chéu, presidente da Smart Vision e responsável pelo projecto ao Diário de Aveiro. Depois desta visita ao andamento da obra, o empresário salientou que, ape sar de satisfeito com o facto de já terem avançado na execução da construção, ainda há muito a fazer e para concretizar tudo é necessária ajuda e apoio.

Muitas empresas se associaram, entretanto, ao projecto (num total de 53 empresas) – que conta com a parceria do Diário de Aveiro desde a primeira hora – como o Ikea, os Armazéns Reis, a Cruz Vermelha, a Ferrum Serv, o Stand Frigi, a AutoRia, a Expo Europa, a HM Motor, a António José Silva Rios, Lda., a AMCO, intermediários de crédito, Lda., a Go Welcome, a Mário Eurico de Almeida Matos, Unipessoal, Lda., a APM – intermediação de créditos, Unipessoal, Lda. e a Lislif. Ainda assim, o responsável salientou que “esta vontade de novas empresas e de outras que já se tinham associado, os recursos coligidos até ao momento não são suficientes”. É necessário material e verba para a infra- estruturação das especialidades, nomeadamen te rebocos, madeiras, alumínios e cerâmicos ou ainda mobiliário ou tintas e electrodomésticos.
Quem quiser ajudar – financeiramente ou com materiais específicos – devem contactar os mentores do projecto, cujos contactos podem ser consultados em https://castanheirarenasce.com/contactos

– Ana Sofia Pinheiro

Notícia do Diário de Aveiro, 14 de Março 2019 – capa e página

IKEA associa-se à Iniciativa de Solidariedade Castanheira Renasce

IKEA associa-se à Iniciativa de Solidariedade Castanheira Renasce

No decorrer desta iniciativa de solidariedade foram várias as entidades que mostraram a sua vertente solidária e portanto, a sua vontade em se associarem a este empreendimento solidário, aos quais a organização agradece com enorme orgulho pela responsabilidade social demonstrada.
Além dos parceiros já associados e anteriormente apresentados (ver lista), é com muita honra que anunciamos um novo parceiro da iniciativa – a IKEA Portugal. Após ter conhecimento deste projeto solidário e em virtude da sua faceta solidária, a IKEA juntou-se ao mesmo, no qual terá um papel relevante para o término da reconstrução da casa da família Fernandes, dado que irá contribuir com mobiliário e equipamento diverso para a casa, o qual é imprescindível ao acolhimento da família e seu conforto.
Neste sentido, agradecemos à IKEA e a todos os parceiros, pilares essenciais para o desfecho feliz desta iniciativa, todo o empenho e envolvimento neste projeto.