O 17 de Junho de 2017 foi um dia de pesadelo para muitas famílias – à conta de um incêndio devastador que assolou a região Centro do país perderam-se muitas vidas e bens. “Foi o pior dia da minha vida”, assumiu Nuno Fernandes.

A habitação da família Fernandes, na povoação de Valinha Fontinha, na tristemente célebre Estrada Nacional 236 – que ficou conhecida como a estrada da morte após os fogos de 2017 –, foi parcialmente destruída pelas chamas. “Tentámos socorrer a nossa casa, mas só tivemos tempo de fugir”, contou.

Esta casa no concelho de Castanheira de Pera tem estado a ser recuperada pela mão do projecto Castanheira Renasce, que um grupo de empresários, com Sérgio Chéu, director-geral da empresa aveirense Smart Vision, à cabeça, pôs de pé para ajudar as vítimas da tragédia de há três anos. O objectivo é recuperar a casa que Nuno Fernandes e a família, num total de sete pessoas, habitavam naquela pequena povoação de Castanheira de Pera.

O empreendimento foi posto em marcha pouco depois da tragédia de 2017 e foi agora dado por concluído – a entrega da habitação à família vai acontecer no próximo dia 7 de Dezembro. “Há mais de três anos todos nós que nos juntámos para dar vida à iniciativa de solidariedade Castanheira Renasce sonhámos tornar possível o hercúleo empreendimento de dar uma nova vida à família Fernandes. Pois bem, esse sonho está muito perto de se tornar realidade, uma vez que nos encontramos na fase final de reconstrução e apetrechamento da casa”, assinala.

O Castanheira Renasce vive da generosidade de empresas e particulares. “O projecto depende da boa-vontade e da disponibilidade de quem se quis associar”, explica Sérgio Chéu. Várias empresas e pessoas chegaram-se à frente e têm dado contributos sem os quais o projecto não teria saído da gaveta.

Após a tragédia, a família mudou-se provisoriamente para um prédio de habitação social em Castanheira de Pera, que ocupa sem custos – a Câmara local é um dos parceiros do projecto. “Estão com muita vontade de regressar à sua casa”, diz o responsável da empresa aveirense.

Ainda se pensou que o último Natal já seria passado em Valinha Fontinha, mas uma empreitada à base do voluntariado corre sempre o risco de sofrer alguns atrasos, lembra o empresário.

O projecto, admite, “está a dar muito trabalho e dores de cabeça”, mas não há lugar ao “arrependimento”. “Sentimos um orgulho enorme por estarmos a ajudar alguém que precisa. Não podemos mudar o mundo, mas podemos sempre fazer alguma coisa pelos outros”, diz o homem de quem partiu a ideia.

A casa da família Fernandes localiza-se em plena Estrada Nacional 236, entre Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, onde 47 pessoas morreram quando procuravam uma saída segura das chamas, nos fogos de 2017. O agregado familiar, que não sofreu perdas humanas, não dispunha de capacidade financeira para suportar as despesas da reconstrução. A casa não satisfazia as reais necessidades dos moradores – um deles, por exemplo, movimenta-se numa cadeira de rodas e a casa não estava adaptada a essa circunstância. Nesse sentido, uma simples reconstrução converteu-se numa ampliação, agora finalizada graças ao Castanheira Renasce. No próximo dia 7, a habitação será entregue à família. “Não será feita nenhuma sessão solene, apenas o simbolismo da entrega da casa à família”, diz Sérgio Chéu.

Versão em PDF: Consulte aqui

in Diário de Leiria: https://www.diarioleiria.pt/noticia/63753